22 de out de 2010

Desabafo

O que me tornei? Sinceramente, já não sei mais. Não tenho coragem de demonstrar sentimentos (que, diga-se de passagem, não são os melhores que uma pessoa pode ter), não sinto mais vontade de me relacionar com as pessoas (em todos os sentidos possíveis). Não quero que sintam pena mim. Mas eu mesma sinto pena de tudo que fiz e de tudo que deixei de fazer.
Ah se arrependimento matasse.
Como um pássaro preso numa gaiola, perdi a vontade de viver, por saber que a liberdade está logo ali. Sem vontade de cantar me tornei um ser, por mais que negue, atormentado e solitário.
Olhando pela janela, vejo o mundo girar e tenho inveja. O mundo lá fora não vai parar por eu ter tropeçado, as pessoas não vão deixar de viver por eu ter perdido uma batalha. O fato é que elas têm mais com o que se preocupar, e eu não as culpo por isso. Cada um que carregue sua cruz.
Minha falta de atitude me trouxe até aqui e minha falta de atitude não vai me tirar daqui.
Eu, mais do que ninguém, sei que esperar não vai me tirar do fundo do poço. Talvez até tire, mas não a tempo de me salvar de mim mesma.

Sou o tanto quanto covarde e me envergonho em admitir isto. Mas como um pássaro preso em uma gaiola, não tenho forças para me reerguer, não tenho mais voz para cantarolar.
Me expor te tal forma só me é possível em um post de um blog, já que tenho medo do que vão dizer sobre.
Realmente, sou uma pessoa covarde.
E no final do dia, sozinha em meu quarto, com pensamentos mais do que involuntários, fico me perguntando: O que me tornei?